Pagina Principal
  Bairros
  WebRádio Maceió 2
  WebRádio Maceió
  Galeria de Fotos
  Ruas de Maceió
  Praças de Maceió
  Canta Alagoas (Letras)
  Cd Alagoano
  Em Verso e Prosa
  Livro de Visitas
  Fale Conosco
  Alagoas Arte e Cultura
  Vida de Artista
  Podcast
  Vida de Artista na 107
  A Palavra é ...
  aempresa
  Alagoas uma má noticia
  Rádio A Voz FM 87,9
  Ruas com 2 nomes

  Gustavo Lins

  Mapa dos Bairros
  Brasão
  Bandeira
  Hino
  Links
  Praias e Lagoas
  Museus
  Logradouros
  Turismo
  Prefeitos de Maceió
  Noticias da Cidade
  Caderno 2















Untitled Document


Livro: Sobreviver e Resistir, os caminhos para liberdade de escravizados

[18/09/2016]

Título Sobreviver e Resistir:

Os caminhos para liberdade de escravizadas e africanas livres em Maceió (1849-1888)

Autor Danilo Luiz Marques
Graduado em História pela Universidade Federal de Alagoas, e mestre em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, onde também realiza o seu doutorado.

Resumo do Livro
Este trabalho teve por objetivo estudar as experiências de vida de africanas livres e escravizadas em Maceió durante o período de 1849 a 1888, evidenciando a luta por sobrevivência e resistência dessas mulheres que viveram a conjuntura dos últimos momentos da escravidão no Brasil. Deste modo, apresentamos como se configurava a cidade de Maceió na época em que se consolidava como novo polo demográfico-econômico da região alagoana. Com isto, adentramos o quotidiano da cidade com o intuito de vislumbrar a sociabilidade negra e a presença de mulheres na vida social daquele período.
Através de uma leitura a contrapelo dos documentos analisados, buscamos os fragmentos das vidas das escravizadas e africanas livres - imergindo na batalha diária destas mulheres em busca de suas sobrevivências e na luta contra a escravidão. A região alagoana foi palco de constante movimentação de navios negreiros vindos diretamente do continente africano ou de outras províncias, como Bahia e Pernambuco. A maioria dos africanos desembarcados era levada a Maceió para prestar serviços domésticos, trabalhar em obras públicas ou realizar vendas pelas ruas como “escravizados de ganho”. As mulheres negras realizavam várias tarefas, pois o mundo do trabalho feminino era amplo e envolvia muitos ofícios, como: lavar, engomar, cozinhar e vender quitutes, marcando o quotidiano da cidade de Maceió. Procuramos compreender quais eram as práticas exercidas pelas africanas livres e escravizadas para se emanciparem ou alforriarem, tendo, assim, uma parcela importante para a eclosão do fim do regime escravista no Brasil.



[Noticia Anterior]          [imprimir noticia]           [Próxima Noticia]