Museu Théo Brandão

História

O Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore foi criado no dia 20 de agosto de 1975 e instalado provisoriamente na casa nº 3 do Campus Tamandaré, no Pontal da Barra, na administração do reitor Nabuco Lopes. Recebeu o nome de Théo Brandão, em razão de ter sido criada para abrigar a coleção de arte popular que o professor e folclorista Théo Brandão doou à Universidade Federal de Alagoas.

Em 1977, por ocasião da V Festa do Folclore Brasileiro, realizada em Maceió, a coleção do Museu foi transferida para um prédio de arquitetura eclética, situado na Avenida da Paz, 1490, centro de Maceió, que veio a ser a sua sede própria. O ato de transferência do Museu, saindo do Campus Tamandaré para o Palacete dos Machados, como era conhecido o prédio da Avenida da Paz, foi assinado pelo reitor em exercício, prof. João Azevedo, também principal articulador da criação do Museu.

Localizado em uma das principais artérias da cidade, o Museu desempenhou suas funções como Centro Cultural, perfeitamente integrado à vida da comunidade, até ter sido fechado, em 1988, e o seu acervo transferido para o Espaço Cultural, enquanto aguardava a restauração do imóvel.

A decisão de fechar as portas do antigo casarão acelerou o processo de desgaste do prédio, cuja execução do projeto de restauro só foi possível em 2001. Apesar da precariedade das instalações provisórias, o Museu Théo Brandão continuou a desempenhar suas funções junto à comunidade, promovendo exposições em espaços alternativos. A biblioteca permaneceu aberta ao público e a Instituição continuou promovendo apresentações de grupos folclóricos e outras atividades.
Em 1997, no primeiro reitorado do prof. Rogério Moura Pinheiro, a então Pró-Reitora de Extensão, profa. Margarida Santos da Silva deflagrou a campanha de restauração do prédio sede do Museu.

Em 1999, a campanha promocional ganhou mais impulso e a Ufal, em dezembro do mesmo ano, conseguiu, junto à Caixa Econômica Federal, o recurso necessário à restauração do prédio, tendo sido a negociação intermediada pelo senador por Alagoas, Teotonio Vilela Filho.
A Caixa Econômica Federal incluiu o prédio do Museu Théo Brandão no seu projeto de restauração de imóveis históricos, como parte das festividades em torno dos 500 Anos do Brasil. Paralelamente ao restauro do prédio, o mesmo senador conseguiu, junto à Petrobras, o patrocínio para o projeto de reinstalação do acervo, acondicionamento e exposição das peças , adequação do circuito (iluminação e aclimatização) e outros procedimentos necessários à atualização e modernização da Instituição.

O projeto de Reinstalação do Museu Théo Brandão priorizou o bem-estar do acervo e do ser humano que nele permanecerá na condição de funcionário ou usuário. A reinstalação do Museu em seu prédio sede se constituiu em um marco para a cultura do Estado e um importante passo para que o turismo local seja desenvolvido a partir das características mais ricas da tradição regional.


Instalações:
Auditório para convenções;
Ampla área para eventos;
Loja de Artesanato com mais de 300 obras do puro artesanato Alagoano à sua escolha;
Museu café, quitutes e delícias da culinária alagoana.

Contato:
Telefone (82) 3214-1711
E-mail: museutheobrandao@gmail.com
Av. da Paz, 1490, Centro, Maceió - Alagoas

Fonte: site da UFAL - Crédito das fotos (Internet e Camille Panzera)

Galeria de Fotos

Bairros de Maceíó © 2002-2017

Curiosidade

Treze vezes vencedor do prêmio Notáveis da Cultura Alagoana - Prêmio ESPIA.

"Uma cidade que não tem memória é uma cidade sem alma. E a alma das cidades é sua própria razão de ser. É sua poesia, é seu encanto, é seu acervo. Quem nasce, quem mora, quem adota uma cidade para viver, precisa de história, das referências, dos recantos da cidade, para manter sua própria identidade, para afirmar sua individualidade, para fixar sua municipalidade." Extraído do livro Maceió 180 anos de história 5 de dezembro de 1995.

Top