Chã de Bebedouro

Informações

Área: 0,71 Km²

População fonte IBGE: 11.541 hab. Censo 2010

Quantidade de logradouros: 40

Região Administrativa: 4

Mapa do bairro para download: Clique aqui

História

O Bairro de Chã de Bebedouro foi criado através lei municipal 4953 em 06 de janeiro de 2000. Altera a lei Nº 4.687/98, que dispõe sobre o perímetro urbano de Maceió, a divisão do município em regiões administrativas e inclui o abairramento da zona urbana e da outras providencias.
Aranldo Fontan - Prefeito em exercício  (Publicado no Diario Oficial do Municipio em 07/01/2000

Ponto inicial e final:

Encontro da Rua Marquês de Abrantes com a Rua Prof. Benedito Silva.

Descrição do perímetro:
Do ponto inicial segue pela Rua Prof. Benedito Silva até o encontro com a Rua Faustino Silveira. Segue por esta última e depois pela estrada da Goiabeira até o prolongamento do talvegue existente na altura do Sítio Serra Azul. Segue por este prolongamento e depois pelo referido talvegue até o encontro com a Avenida Jorge Montenegro Barros. Segue por esta Avenida até o encontro com o talvegue existente na direção nordeste. Segue por este último até o encontro com o Riacho Silva, continuando por este até a pequena ponte na Rua Marques de Abrantes. Segue pela Rua Marquês de Abrantes até o ponto inicial, no encontro desta com a Rua Prof. Benedito Silva.

 

CHÃ DE BEBEDOURO

Bairro cheio de belezas.
Seu mirante da vista para natureza
(um pôr do sol fazendo caminho
na lagoa Mudaú – nostálgico e sozinho -).

Marcado pela tranquilidade da paisagem
(tempo parado, passando mensagem).
Onde não se sabe o que é mar e o que é céu,
vista de tirar o chapéu.

Na praça principal,olhos parados
já cansados mas iluminados
pelo espelho das águas.

Para quem visita ou mora,
bate de frente com o sossego,
despejado pela maresia

Ari Lins Pedrosa - julho 2014

 

 

Bairros de Maceíó © 2002-2017

Curiosidade

Treze vezes vencedor do prêmio Notáveis da Cultura Alagoana - Prêmio ESPIA.

"Uma cidade que não tem memória é uma cidade sem alma. E a alma das cidades é sua própria razão de ser. É sua poesia, é seu encanto, é seu acervo. Quem nasce, quem mora, quem adota uma cidade para viver, precisa de história, das referências, dos recantos da cidade, para manter sua própria identidade, para afirmar sua individualidade, para fixar sua municipalidade." Extraído do livro Maceió 180 anos de história 5 de dezembro de 1995.

Top